Trabalho e Educação
EMail

Estudos e pesquisas sobre a articulação trabalho e educação no contexto das relações capitalistas de produção e sobre os processos e dimensões educativos e escolares presentes nas práticas sociais do trabalhador. Trabalho e políticas públicas. Gestão educacional. Trabalho e educação no campo. Trabalho, educação e tecnologias. Formas de gestão e de organização de trabalhadores: sindicatos, movimentos sociais e cooperativas.

 

Adriana D’Agostini (M): Trabalho e Educação. Relação entre trabalho e educação na formação de professores e práticas pedagógicas, especialmente as vinculadas a movimentos sociais.  Jovens. Escola Pública.

Célia Regina Vendramini  (M e D) – Trabalho e formação humana. Experiências sócio-educativas e movimentos sociais organizados. Trabalho e educação no campo. Migração e escolarização. Escola pública.

Eneida Oto Shiroma (M e D) – Trabalho e política educacional. Educação profissional. Profissionalização docente. Reforma educacional e gestão. Trabalho docente.

Luciana Pedrosa Marcassa (M) - Educação, Trabalho e Políticas Públicas; Escola e relações de Trabalho na Educação Básica; Políticas de combate às desigualdades sociais e escolares; Escolarização em zonas de vulnerabilidade social.

Lucídio Bianchetti (M e D) – Políticas de pesquisa e pós-graduação no Brasil. Trabalho, educação e as novas tecnologias da informação e da comunicação: aspectos históricos e conceituais. O mundo da educação e o mundo do trabalho em perspectiva histórica: aproximações e especificidades.

Nise Maria Tavares Jinkings (M) – Capital, trabalho e educação. Educação e reestruturação produtiva. A educação na perspectiva da classe trabalhadora. O trabalho docente .

Olinda Evangelista (D) – Política educacional. Políticas públicas para a educação. Políticas de formação docente. Profissionalização docente. Trabalho docente.

Patrícia Laura Torriglia (M e D) – Trabalho e Educação, ontologia, formação e produção de conhecimento, Inflexões epistemológicas na pesquisa em educação. Estudos marxistas em Educação.

Paulo Sérgio Tumolo (M e D) – Capital, trabalho e educação. Educação e reestruturação produtiva. Educação, sindicalismo e outros movimentos sociais. O trabalho como princípio educativo. A educação na perspectiva da classe trabalhadora. A centralidade do trabalho na sociedade contemporânea.

Rosalba Maria Cardoso Garcia (D) – Política educacional e educação especial. Trabalho docente e educação especial. Política educacional e formas organizativas do trabalho pedagógicos na educação especial.

Soraya Franzoni Conde (M) - Trabalho, Educação, Infância. Exploração do Trabalho Infantil. Políticas de combate ao trabalho infantil. Educação do Campo. Educação infantil no e do campo. Condições de trabalho dos professores de Educação Infantil das redes públicas e privada.

 

PROJETOS EM ANDAMENTO

 

ADRIANA D’AGOSTINI

Título: Juventude do campo e da cidade: relação trabalho, educação e perspectivas de futuro

Descrição: O presente projeto de pesquisa tem como objeto de estudo os jovens e sua condição de juventude em diferentes territórios, o campo e a cidade. Objetiva-se identificar e analisar as relações que aproximam e as que diferenciam estes jovens em seus contextos e territórios no que diz respeito a trabalho-educação e suas perspectivas de futuro. Para isso, realizaremos pesquisa bibliográfica sobre as categorias: jovem/juventude, trabalho-educação, território e tendências de futuro diante da sociedade capitalista. A pesquisa de campo será realizada em duas etapa, a primeira é identificação do campo de pesquisa, duas escolas do campo e duas da cidade e, aplicação de questionário; a segunda, será realizado entrevistas individuais e coletivas com as temáticas pertinentes para responder o problema da pesquisa. Nos interessa ouvir os jovens e seu posicionamentos no que se refere aos processos de escolarização, trabalho e perspectivas de futuro.

 

CÉLIA REGINA VENDRAMINI

Título: Escolarização de imigrantes rurais desenraizados e trabalhadores informais no espaço periurbano

Descrição: A pesquisa tem como objetivo analisar a produção e reprodução da vida de trabalhadores migrantes na periferia de Florianópolis-SC, particularmente no que diz respeito à escolarização das crianças e jovens. Partimos das seguintes questões: Quem são os trabalhadores que produzem a cidade? Como reproduzem a vida nas franjas da cidade, ou no periurbano? Quais são as estratégias (individuais e coletivas) criadas pelos trabalhadores e suas famílias, vizinhos, amigos, para a sobrevivência no “novo” lugar, em termos materiais e simbólicos? Como a mobilidade dos trabalhadores e suas famílias afeta a escolarização dos filhos? Qual a relação entre escolarização e exploração do trabalho de crianças e jovens? Os eixos de análise tem como base a reflexão sobre a migração diante do desemprego e do trabalho informal, sobre a reprodução da vida dos migrantes e suas famílias, com base em análise do local de trabalho e local de vida, sobre os laços sociais e as alternativas individuais e coletivas criadas pelos trabalhadores migrantes e, fundamentalmente, sobre a escolarização das crianças e jovens que acompanham o movimento dos pais. Para o desenvolvimento da pesquisa propomos abordagem teórica e empírica. Em termos teóricos, definimos três categorias de estudo, com base em estudos clássicos e visando a atualização das mesmas: classe trabalhadora e luta de classes, migração e escolarização. A pesquisa empírica será desenvolvida em bairros periféricos da cidade de Florianópolis/SC, os quais têm recebido um fluxo crescente de imigrantes. Nosso ponto de partida será o levantamento de dados em escolas públicas no âmbito do Maciço do Morro da Cruz, visando localizar os alunos que não nasceram em Florianópolis, selecionando-os de acordo com o local de nascimento, tempo de permanência na mesma escola, número de escolas frequentadas, trabalho e moradia. Com base neste levantamento, pretendemos selecionar um conjunto de estudantes para entrevistar suas famílias e realizar observação nos locais de moradia e de trabalho. Pretendemos analisar o tempo dos trabalhadores dedicados ao trabalho, ao deslocamento, ao cuidado com a casa e os filhos e outros aspectos da organização/administração da vida, ao descanso, ao lazer, ao estudo e aos espaços organizativos e associativos.  A pesquisa será complementada por meio de documentos e dados estatísticos referentes ao fluxo de migrantes para a cidade de Florianópolis.

Financiador: CNPq – bolsa produtividade em pesquisa e bolsa IC e AP.​

 

ENEIDA OTO SHIROMA

Título: Redes de políticas públicas e governança da educação: pesquisando a convergência das políticas para docentes nas agendas para a próxima década
Descrição: Este projeto discute redes de políticas públicas tendo em vista compreender como induzem à formação de agendas para a educação. Pretendemos sistematizar as propostas para a próxima década elaboradas por agências multilaterais e pesquisar os processos pelos quais influenciam na formulação de políticas nacionais. O processo de produção, disseminação e circulação do conhecimento produzido pelo encontro de experts, reformadores e decisores de política educacional é ainda pouco pesquisado no Brasil. A etnografia de redes sociais constitui uma ferramenta fecunda para investigar o complexo processo de formulação de políticas públicas. Utilizaremos essa metodologia para mapear e analisar a composição das redes e adotaremos o materialismo histórico como referencial teórico para interpretar as ligações representadas nos sociogramas..

Alunos envolvidos: Mestrado acadêmico: (3), Doutorado: (2), Graduação (1) .
Integrantes: Eneida Oto Shiroma – Coordenador / Mara Cristina Schneider – Integrante / Anibal Brito Neto – Integrante/ Eclea Vanessa Baccin – Integrante/ Fabiana Cherobin – Integrante / Juliana Matias Faust – Integrante / Fabricio Zimmermann Souza – Integrante/ Juliana Cristina de Assis – Integrante.

Financiador(es): CNPq – Bolsa PQ, Bolsa PIBIC e apoio do Edital Ciências Humanas.

 

LUCIANA PEDROSA MARCASSA

Título: Juventude Pobre e Escolarização: relações com a escola e a cultura em territórios de precariedade
Descrição: A presente pesquisa tem por objetivo investigar as relações que a juventude pobre estabelece com a escola considerando suas expectativas quanto ao término da educação escolar, os motivos que geram a evasão e a desescolarização, bem como seus engajamentos para além da escola. Situada no âmbito dos estudos sobre Educação, Trabalho e Políticas Públicas, a preocupação central desta pesquisa é conhecer o que mantém a juventude na escola, bem como o que a distancia do processo de escolarização, buscando identificar as forças sociais e os movimentos da/na sociedade civil que mobilizam ou enfraquecem a relação dos jovens das frações mais empobrecidas da classe trabalhadora com a escola, produzindo também outras articulações, por exemplo, com movimentos sociais e culturais, com organizações civis (ou mesmo criminosas) e com o mercado de trabalho. Pretende-se também mapear e discutir as políticas públicas (de inclusão, mais educação, educação integral e outras) que se inserem na agenda de combate às desigualdades sociais e escolares, e que assim redefinem a função social da escola, ampliando sua face assistencialista. Trata-se de uma pesquisa qualitativa de caráter exploratório-descritiva, que se utiliza de questionários, entrevistas, grupos focais e observações diretas registradas em diários de campo. Os sujeitos da pesquisa são os adolescentes e jovens das escolas públicas localizadas nos territórios do maciço do Morro da Cruz em Florianópolis, especialmente aqueles que estão finalizando o Ensino Fundamental e os que persistem no curso do Ensino Médio. Pretende-se com esta pesquisa evidenciar os fatores que desmotivam os jovens a investir em seu processo de escolarização, bem como aqueles que os mobilizam a investir na escola ou em outros projetos de formação e organização da cultura. Os temas que articulam esta pesquisa são: escola, trabalho, cultura, juventude, território, políticas públicas e organizações sociais. Palavras-chave: juventude, escola, políticas públicas, trabalho.

Alunos envolvidos: Graduação: (2) / Mestrado acadêmico: (3) / Doutorado: (2).

Integrantes: Luciana Pedrosa Marcassa – Coordenador / Célia Regina Vendramini – Integrante / Jéferson Silveira Dantas – Integrante / Elisete Gesser Della GiustinaDacoregio – Integrante / Adriana D’Agostini – Integrante / Mauro Titton – Integrante / Natacha Eugênia Janata – Integrante / Sandra Luciana Dalmagro – Integrante / Soraya Franzoni Conde – Integrante / Glademir Alves Trindade – integrante (doutorado) / Deise Rateke – integrante (doutorado) / Patrícia Buss – integrante (mestrado) / Letícia Viglietti – integrante (mestrado) / Gilberto Nogara Junior – integrante (mestrado).

 

LUCÍDIO BIANCHETTI

Título: Formação e atuação de orientadores de dissertações e teses: de uma prática intuitivo-individual a uma práxis coletivo-grupal em vias de formalização/afirmação. Em direção a uma ´pedagogia´ da orientação.

Descrição:A orientação, na PG stricto sensu, passou de uma ascética menção ao pós-graduando como alguém a ser “orientado por um diretor de estudos” (Parecer 977/65), à explicitação da necessidade de “criação de um eficiente sistema de orientação”, (Cf. V Plano Nacional de Pós-graduação – 2005-2010). Em fontes diversas buscaremos compreender como, em pouco mais de 60 anos de PG no Brasil, uma atividade eminentemente privada, individual (orientador-orientando), improvisada, espontânea e intuitiva, foi sendo transformada em uma práxis coletiva, ganhando cada vez mais foro público, via grupos/redes de pesquisa. Muitas iniciativas, no Brasil e exterior, particularmente na União Europeia, a partir do Processo de Bolonha, estão sendo desencadeadas no sentido de caminhar para práticas formativas de orientadores, a ponto de estar sendo demandada a constituição de uma “didática”, de uma “Pedagogia” da orientação, seja em obras qualificadas, seja em manuais que poderiam ser caracterizados como sendo de ´autoajuda´ para orientandos e orientadores. O crescente processo de internacionalização da educação e o predomínio de um particular capitalismo na universidade, o chamado “capitalismo acadêmico”, estão na base de processos cada vez mais indutivos, heterônomos, resultando na intensificação do trabalho, no produtivismo acadêmico, na preocupação com rankings, resultando em competição exacerbada. Em termos de metodologia nos apoiaremos em“métodos mistos”, a fim de compreender este “campo científico” da PG, onde se constrói um saber e se exerce um poder, no processo de formação e atuação dos orientadores de dissertações e teses. No que diz respeito à empiria faremos inserções em alguns grupos de pesquisa, no Brasil e de outros países, visando apreender como atuam na formação dos orientadores e os avanços na constituição ou “formação de grupos e redes de intercâmbio em pesquisa educacional”, “redes acadêmicas” e ainda “redes de colaboração” e como estas iniciativas podem contribuir para a refefinição da função orientadora.

Alunos envolvidos: Graduação dois (2), Mestrado três (2), Doutorado três (3), Estágio Pós-doutoral um (1).

Integrantes do Grupo TRACES (Trabalho e Conhecimento na Educação Superior): LucídioBianchetti – Coordenador, Juares da Silva Thiesen – vice-coordenador. Graduandos e pós-graduandos: Muryell Guimarães Colletto, FranciniScheid, GreicySteinback, Luiza Turnes, Rafael Lara, Adriano de Oliveira, Lara CarletteThiego, Vera Regina Roesler.

Financiamento: CNPq – Bolsa PQ – 2015 – 2019

 

NISE JINKINGS

TÍTULO: A Sociologia no Ensino Médio: experiências docentes, formação e condições de trabalho do professor
DESCRIÇÃO: O estudo visa contribuir para as reflexões sobre a presença disciplinar da Sociologia nas escolas de nível médio, considerando sua inclusão como disciplina obrigatória nos currículos do Ensino Médio em Santa Catarina, desde 1998 e, em escala nacional, desde 2006. A pesquisa objetiva traçar um diagnóstico da situação concreta na qual se realiza o ensino da disciplina nas escolas de nível médio da Grande Florianópolis. Serão investigados aspectos como: o regime de trabalho e a formação do professor; a carga horária da disciplina; os conteúdos programáticos; os materiais e recursos didáticos utilizados; o perfil sócio-econômico dos alunos e seu comportamento em relação à disciplina..

 

OLINDA EVANGELISTA

Título: Mapas da formação docente no Governo Lula (2002/2010)
Descrição: O presente projeto objetiva construir mapas sobre o professor no Brasil, sistematizando dados coligidos nas fontes disponíveis, particularmente nos microdados do Educacenso e do Censo do Ensino Superior do INEP. O propósito não é produzir o dado, mas extraí-los das bases existentes, compilá-los, organizá-los e interpretá-los articuladamente às políticas educacionais. Além dos INEP, outros bancos serão consultados, como os do Banco Mundial (BM) e da OCDE. Da equipe fazem parte membros treinados para uso do sistema SPSS e planilhas flexíveis, para o tratamento estatístico dos dados e uma geógrafa. O trabalho receberá a contribuição de pesquisadores do Laboratório de Geoprocessamento (LabGeop) da UFSC, para a realização dos mapas, em particular os anamórficos . As fontes documentais atinentes à política educacional coletadas para o projeto em finalização serão comparadas afim de se verificar seu impacto sobre os números. Este impacto será verificado entre 2000 e 2011, período que captará os resultados finais do Governo FHC e Lula. Verificar-se-á a evolução dos vários aspectos relativos ao professor, bem como as rupturas e permanências nos dois governos. Verificar-se-á ademais como essas questões se organizam regionalmente e por Estado da Federação, evidenciando desigualdades, concentrações, carências e desequilíbrios em termos de divisão de recursos econômicos e de professores.

Alunos envolvidos: Graduação: (2) / Mestrado acadêmico: (4) / Doutorado: (3)

Integrantes: Olinda Evangelista – Coordenador / JocemaraTriches – Integrante (Dr.) / Kamille Vaz – Integrante (Dr.) / Leda Letro – Integrante (M) / Aline Mandelli – Integrante (M) / Aline InacioDecker – Integrante (M) / Rafael dos Santos Pereira – Integrante / Keila Berwanger – Integrante (G) / Renata Soares da Silva – Integrante (G) / Eliane Aguiar – Integrante (Dr.) / Joana D’Arc Vaz – Integrante (Dr.).

Financiador(es): CNPq – Bolsa PQ.

 

PATRÍCIA LAURA TORRIGLIA

TÍTULO: Produção de conhecimento: subsídios sentidos de conhecer, ensinar e aprender nos processos de formação docente.
DESCRIÇÃO: A pesquisa é uma continuidade dos estudos anteriores e seus desdobramentos em relação à produção do conhecimento, em especial, os que focalizam a formação de professores. A pesquisa se insere em um projeto maior denominado Formação Humana, Ontologia crítica e Educação articulado ao Grupo de Pesquisa e Estudos em Ontologia Crítica (GEPOC).O objetivo é o de aprofundar os aspectos essenciais do trabalho docente e os processos de formação nas licenciaturas. Compreender o sentido de conhecer, ensinar e aprender nos processos de formação docente, buscando subsídios na ontologia crítica para compreender a produção de conhecimento. O recorte privilegiado é a formação dos professores e os processos de conhecimento nessa formação, em especial, nas licenciaturas que articulam (ou deveriam articular) os conhecimentos específicos de suas áreas e os conhecimentos pedagógicos , sendo este último fundamental para os processos de ensino, entre outros aspectos que esse conhecimento proporciona. A uma década do século XXI, com o suporte de algumas das produções já objetivadas e outras em processo, torna-se importante começar a pensar linhas de análise, que permitam aprofundar esta problemática da desvalorização e da perda de sentido de conhecer, que como assinalamos, tem, muitas vezes, como conseqüência um ceticismo no ato de ensinar e no ato de aprender. Qual é o sentido de conhecer e qual é a compreensão de conhecer? Como são os processos de objetivação que me permitem ensinar o aprendido nos processo de formação? Estas indagações nos permitem apresentar dois pressupostos em relação ao tema da formação docente e da produção de conhecimento: 1-A diminuição dos processos de apropriação dos conhecimentos em sua profundidade tem como conseqüência, uma apropriação periférica e superficial da complexidade da prática educacional,, repercutindo significativamente nos processos de ensinar e aprender. 2-Muitas vezes existe um não-reconhecimento nos processo formativos nas licenciaturas que.

 

PAULO SÉRGIO TUMOLO

Título: A educação na perspectiva da classe trabalhadora: um diálogo com a esquerda educacional marxista

Descrição: Dando sequencia a estudos já realizados, este projeto de pesquisa tem como objetivo fazer uma análise da produção teórica dos diversos autores que trataram do tema referente à educação na perspectiva da classe trabalhadora, buscando estabelecer com eles e entre eles um diálogo crítico e, dessa forma, apontar os avanços de sua contribuição, bem como os limites e problemas, com o propósito de dar continuidade à discussão de tão importante tema.

Alunos envolvidos: Mestrado acadêmico: (1), Doutorado: (6)

 

ROSALBA MARIA CARDOSO GARCIA

Título: Política de educação especial na educação básica: reconfiguração do trabalho docente

Descrição: A presente pesquisa tem como objetivo geral apreender as determinações do trabalho docente na Educação Especial no âmbito das políticas educacionais em vigor no Brasil. Tal objetivo está desdobrado em objetivos específicos: 1) Identificar e caracterizar os professores e demais trabalhadores em educação recrutados pelas redes de ensino para atuar com os estudantes da educação especial (número de trabalhadores por rede; designações; formação exigida; formação realizada; cargo/função; atividades que desenvolve; carga horária de atuação; faixa salarial); 2) Conhecer o lócus de atuação e as atribuições previstas para os professores de educação especial e demais trabalhadores em educação que atuam com os estudantes da educação especial na escola de ensino regular; 3) Compreender a concepção de trabalho docente na educação especial na educação escolar. Os procedimentos teórico-metodológicos previstos são: 1) Análise dos microdados do censo escolar/INEP e outras bases de dados disponíveis quando necessário complementar as fontes nacionais de estatística sobre trabalhadores em educação; 2) Análise qualitativa dos documentos representativos da política educacional brasileira: legislações, orientações e diretrizes, editais de recrutamento de trabalhadores em educação no recorte da pesquisa, entre outros materiais oficiais e oficiosos que possam contribuir para o desenvolvimento do presente projeto de pesquisa; 3) Entrevista semi-estruturada com gestores de secretarias de educação de redes municipais de ensino para apreensão das atribuições dos trabalhadores em educação no recorte da pesquisa e compreensão do projeto educacional tomando a educação especial como sua expressão; 4) Revisão de literatura nacional e internacional pertinente ao foco da pesquisa. A base de referência empírica é a região sul do país do Brasil. Pretendemos, portanto, mobilizar dados das redes municipais de ensino das capitais: Curitiba, Florianópolis e Porto Alegre.

 

SORAYA FRANZONI CONDE

Título: A escola e a exploração do trabalho infanto-juvenil na região do Maciço do Morro da Cruz – Florianópolis, SC

Descrição: Este projeto tem por objetivo compreender a relação entre a escola e a exploração do trabalho infantil entre jovens e adolescentes matriculados nas escolas que pertencem à região do Maciço do Morro da Cruz de Florianópolis, Santa Catarina. Ele é parte do projeto de pesquisa matricial intitulado “Juventude pobre e escolarização: relações com a escola e a cultura em territórios de precariedade” coordenado pela professora dra. Luciana Marcassa. Considera-se que entre os principais motivos da evasão e do abandono escolar encontra-se a necessidade precoce de trabalhar. A pesquisa é desenvolvida num conjunto de 10 escolas públicas que pertencem à região denominada de “Morro do Maçico da Cruz” (Florianópolis, SC) por meio de: aplicação de questionário acerca da relação dos adolescentes e dos jovens trabalhadores com a escola, entrevistas com grupos focais de adolescentes e jovens que começaram a trabalhar precocemente, revisão bibliográfica sobre a relação entre o trabalho precoce e a escolarização, tabulação e análise de dados, analise documental e observações diretas registradas em diário de campo. Trata-se de uma pesquisa qualitativa de caráter exploratório descritiva.

 

 Título: As múltiplas determinações da formação continuada de professores de educação infantil em Santa Catarina: trabalho, gênero e formação

Descrição: Este projeto tem por objetivo compreender as múltiplas determinações da formação continuada de professores da Educação Infantil das redes municipal, estadual e particular das regiões catarinenses de Florianópolis e Araranguá.  Ele decorre da experiência da equipe proponente na coordenação geral do Curso de Especialização em Docência na Educação Infantil (CEDEI – UFSC/SEB/MEC), destinado à professores trabalhadores das redes de educação infantil de Santa Catarina,  durante 2012 e 2014. Considera-se que entre as múltiplas determinações da formação continuada de professores de educação infantil, as condições de trabalho, as relações de gênero e a formação inicial destacam-se diante do grande quadro de evasão e desistência nas formações financiadas pelo Ministério da Educação nos diferentes estados brasileiros.   A pesquisa é desenvolvida por meio de questionário aplicado com 80 estudantes do CEDEI de 8 municípios catarinenses (Florianópolis, Biguaçu, Palhoça, São José, Joinville, Araranguá, Sombrio e Maracajá), recolha de depoimentos dos/as estudantes desistentes e revisão bibliográfica sobre a temática. Trata-se de uma pesquisa qualitativa de caráter exploratório descritiva.

 

GRUPOS DE PESQUISA

Grupo de Estudo sobre Política Educacional e Trabalho – GEPETO
Grupo de Estudos e Pesquisa em Ontologia Crítica- GEPOC (http://www.gepoc.ced.ufsc.br)
Núcleo de Estudos sobre as Transformações no Mundo do Trabalho – TMT (http://tmt.cfh.ufsc.br/)

Trabalho e Conhecimento na Educação Superior – TRACES

Facebook Twitter